A.A. Portuguesa – 90 anos de glórias

Por Super Gol

VIVA A LUSA! Portuguesa completa 90 anos de existência (Arte: Super Gol)
VIVA A LUSA! Portuguesa completa 90 anos de existência (Arte: Super Gol)

Este 17 de dezembro é mais do que especial para os moradores da Ilha do Governador. Você deve está se perguntando o motivo e, é claro, o Super Gol vai direto ao ponto e te explica. Então, há 90 anos era fundada a Associação Atlética Portuguesa, popularmente conhecida como Portuguesa da Ilha.

E assim nasceu…

Em 13 de novembro de 1924, Constantino Paiva e Joaquim Martins Leal,empresários do ramo de sacos, foram à cidade Santos, no Litoral de São Paulo, e conheceram a Associação Atlética Portuguesa. Na cidade, eles disputaram uma partida amistosa contra colegas de mesma profissão, sendo boa parte de portugueses, que terminou em 1 a 1. O resultado serviu de incentivo para a criação de uma Portuguesa, mas no Rio de Janeiro.

De volta à Cidade Maravilhosa, mais precisamente em 17 de dezembro, fundaram a Associação Atlética Portuguesa, em homenagem ao time paulista. A criação se deu no comércio de Luís Gomes Teixeira, que é o primeiro presidente retificado pelos estatutos de 2 de janeiro de 1925. A Lusa teve, então, a sua primeira sede na extinta rua Visconde de Itaúma, nº 201, no Centro do Rio. O local foi acabou para a abertura da avenida Presidente Vargas, nos anos 40.

Somente dois anos após a sua fundação, em 1926, que a Portuguesa se filou a uma liga desportiva. Na ocasião, na Liga Brasileira de Desportos, uma sub-liga da AMEA, a principal. A Lusa jogou a Primeira Divisão da Associação Metropolitana de Esportes Athléticos por dois anos – 1933 e 1934 – e, na sua primeira experiência na elite, ficou em oitavo lugar, com 14 pontos, à frente do Sport Club Brasil e do River Futebol Clube. O Botafogo conquistou a competição, tendo como vice o Olaria. Aliás, o primeiro mando de campo das insulanos foi no extinto campo da Rua Moares e Silva, na Tijuca.

Time base de 1933 >>> Nogueira; Nélson, Antônio, Noé e Batista; Sá Filho, Zica, Valdemar e Badu; Arnaldo e Gordura.

ATUAL CASA já foi o Jockey Club Guanabara (Foto: AAP)
ATUAL CASA já foi o Jockey Club Guanabara (Foto: AAP)

Chegada à Ilha do Governador

Após o decreto de então Presidente do Brasil, Jânio Quadro, que limitou as corridas de cavalos apenas aos sábados e domingos, o turfe nacional foi por “água abaixo”. Em meio à grande crise que o turfe enfrentava, o Jockey Club Guanabara teve que fechar as portas e colocar à venda todas as suas instalações. Sem perder tempo, em 1964, a diretoria da Portuguesa comprou todo o terreno.

Depois de passar por reformas, o Estádio Luso-Brasileiro foi inaugurado num jogo entre Portuguesa e Vasco – vencido pelos Cruz-Maltinos com o score de 2 a 0 – pelo Campeonato Carioca, em 2 de outubro de 1965. Desde então, a Lusa nunca mais largou o bairro da Ilha do Governador, que agrega o G.R.E.S. União da Ilha e o Aeroporto Tom Jobim.

O dia em que Madrid se rendeu à Ilha

O dia 4 de setembro de 1969 está na memória de casa torcedor insulano. Nesta data, 45 anos atrás, Davi venceu Golias. Com Estádio Santiago Bernabeu lotado, o maior campeão europeu de todos os tempos, Real Madri, foi derrotado por 2 a 1 para a Lusa. Os dois gols foram marcados por Miguel.

A façanha internacional aconteceu em uma das excursões da Lusa à Europa. A equipe brilhante da Portuguesa era composta por Bruno, Jerry, Zeca, Beto, Chiquinho, Carlos Pedro, Nei (Jorginho), Miguel, Jurandir (Paulo Mata) e Escurinho.

São poucas as equipes cariocas que jogaram e venceram o Real Madrid. Além da Portuguesa, o Flamengo e o Vasco conseguiram essa proeza.

A partida

REGISTRADO. Derrota do Real para Lusa é destaque em jornal espanhol (Foto: Acervo AAP)
REGISTRADO. Derrota do Real para Lusa é destaque em jornal espanhol (Foto: Acervo AAP)

“Mas o Real Madrid jogou com o time reserva”. Enganam-se quem pensa assim. O time merengue havia conquistado o Campeonato Espanhol naquele ano e a Lusa foi convidada para fazer um amistoso que seria a entrega das faixas da equipe da capital espanhola.

Logo no começo da partida, o meia Miguel abriu o placar para a Portuguesa com sete minutos de jogo. No fim da primeira etapa, o time da Ilha do Governador ampliou o marcador novamente com Miguel.

Já no segundo tempo, o Real Madrid jogou para frente em busca do empate, mas o gol só saiu no último minuto da partida. Planellas descontou para os Merengues, mas não havia tempo para mais nada. O feito estava consolidado. A Portuguesa do Rio de Janeiro venceu o maior clube do século XX dentro do Santiago Bernabéu.

Os grandes destaques da Portuguesa foram o atacante Miguel, autor dos dois gols da Lusa, e o ponta esquerda Escurinho.

Dados da partida

Real Madrid 1 x 2 Portuguesa – Amistoso – 04/09/1969

Estádio Santiago Bernabéu (Madri – ESP)
Árbitro: Mantinez Benegas

>>> Portuguesa: Bruno; Choquinho, Jerry, Beto e Zeca; Carlos Pedro e Nei; Jorginho, Miguel, Jurandir (Paulo Mata) e Escurinho.

>>> Real Madrid: Junquera; Espildora, Bibiloni, Benito e Jose Luiz; Tejada e Miguel Perez; Fleitas, Planelles, Grande e Bueno.

Gols: Miguel 7’/1ºT (1 – 0); Miguel 42’/1ºT (2 – 0); Planelles 45’/2ºT (2 – 1).

Salve, salve a Portuguesa!