Josué Teixeira valoriza empate fora de casa após mudança de postura da equipe na final da Copa Rio

DSC_8594

Por Vitor Melo (Foto: Emerson Pereira/Super Gol)

Em confronto marcado por polêmicas envolvendo a arbitragem, o Americano ficou no empate pelo placar de 1 a 1, no jogo de ida da final da Copa Rio. Apesar de um primeiro tempo apático, o Alvinegro do Parque Tamandaré adiantou sua marcação nos 45 minutos finais e chegou ao seu gol com Cláudio Maradona. Com o resultado igual, a decisão será definida no próximo sábado, 06, em Cardoso Moreira. Comandante do Cano, Josué Teixeira avaliou o desempenho da sua equipe e apontou a mudança de postura do conjunto na volta para o segundo tempo:

– O nosso primeiro tempo foi muito ruim, estávamos apáticos demais, assistindo o Itaboraí jogar. Visitamos um adversário forte, querendo a vitória, buscando o resultado e nós estávamos sem reação. Eram muitas jogadas de efeito e, eu falo para o meu time, que aqui ninguém é craque, somos operários. Tínhamos que reter a posse de bola, mas acabava que a gente perdia, pois sempre tinha um passe diferente para fazer. Então, quando você não está bem, não está competindo, e ainda está errando, você vai ser dominado pelo adversário – afirma o treinador, que continua:

– Já no segundo tempo, nós competimos, lutamos mais, avançamos a marcação, tiramos o espaço, coloquei mais um atacante e a gente conseguiu ter o controle do jogo. Contudo, está de bom tamanho, um time ganhou o primeiro (tempo) e a gente ganhou o segundo. O empate foi o resultado normal do jogo – avalia Josué Teixeira, esclarecendo a atuação do Glorioso no confronto de ida da final da Copa Rio.

Diferente da primeira etapa, o Alvinegro voltou para a etapa complementar com mais objetividade, visando as jogadas de perigo, que encurralavam os adversários. Através deste panorama, o técnico da equipe campista mostrou o que fez a diferença na mudança da postura do time na reta final:

– São junções de fatores, muita gente fala que treinador ganha jogo no intervalo, mas não sou muito de trazer o mérito para mim. Os jogadores entenderam o que nós conversamos, buscaram o resultado, mudaram o comportamento. O meu time, quando muda o comportamento e luta no jogo, ele realiza grandes partidas, porém, quando fica apático ele sofre; foi o que aconteceu. O empate veio através da mudança de postura dos jogadores em campo – disse o comandante.

Sob gritos de Copa do Brasil, os jogadores do Cano exclamavam a suposta escolha na conquista do título da Copa Rio. Perguntado sobre a opção das competições que possui preferência, Josué revelou que a escolha será feita através de um olhar financeiro, que aliviará as contas do clube:

– A Copa do Brasil, até então, é a nossa escolha. A gente não tem um orçamento montado ainda para 2019, você sabe que a Copa do Brasil te dá uma estimativa em janeiro/fevereiro, te possibilita de até fazer um adiantamento, talvez um ajuste para a seletiva. São objetivos que nós temos e devemos ficar ligados. São vantagens financeiras que a competição disponibiliza. Isso já foi conversado, até porquê eu não sou só treinador da equipe, a minha função também é de manager do clube. Se fecharmos patrocínio e tivermos questão de fazer, a gente joga a Série D, pois dispõe um acesso mais esportivo, se não, optaremos na escolha pelo financeiro – encerra Josué Teixeira.