Villar festeja estreia em jogo decisivo do Canto do Rio

Por Super Gol (Foto: Dalton Valério/Canto do Rio)

O Canto do Rio segue a preparação para o jogo de volta da semifinal do Carioca Série C. A equipe de Niterói está muito perto do acesso à Série B2. O duelo decisivo contra o Mageense será em Los Larios, domingo, dia 30, às 15h. Com a vitória por 1 a 0 na partida de ida, no Alzirão, em Itaboraí, o Cantusca pode empatar que garante vaga na final e, consequentemente, sobe de divisão. Vitória do time de Magé por um gol, leva a decisão para os pênaltis.

No primeiro confronto da semifinal, o Canto do Rio teve a estreia do zagueiro Villar. O jogador lembrou da confiança passada pela comissão técnica e comentou o entrosamento com Diegão, seu companheiro de zaga.

– Fiquei sabendo que iria jogar durante a semana. O professor Marquinhos Pereira disse que eu daria conta do recado. Toda a comissão técnica me passou confiança. E o Diegão é um cara sensacional dentro e fora de campo. Ele me tranquilizou e procurou me dar força durante o jogo. Nos falamos bastante, até porque tem que haver essa comunicação entre os zagueiros, já que não podemos errar.

Além dos desarmes e da segurança para a zaga do Cantusca, o jovem defensor contribui com a experiência adquirida na Europa. Antes de vestir a camisa da equipe niteroiense, Villar jogou pelo TsV Butzow, clube que disputa a sexta divisão da Alemanha. O jogador comparou o futebol praticado no país europeu com o que vem vivenciando na disputa do Carioca Série C:

– O futebol alemão é mais robotizado, digamos assim. Eles são muito bons taticamente. Já o brasileiro se destaca muito no individual, tem uma ginga, um jeito próprio de jogar, com alegria. Em certos momentos do jogo, isso faz a diferença.

O camisa 23 do Canto do Rio contou que o início no país estrangeiro foi difícil, mas conseguiu se acostumar com o passar do tempo. Ele ainda destacou pontos positivos na cultura alemã.

– Fiquei praticamente um ano e senti um pouco de dificuldade na adaptação. Eu cheguei a pegar -11°C. Senti falta da comida brasileira no início, mas depois acostumei com a de lá. O idioma é bem difícil e a cultura muito diferente. O país é todo organizado, tudo planejado, já no Brasil, nem tanto. Eles respeitam o semáforo, mesmo não tendo ninguém para atravessar a rua, por exemplo. O alemão respeita o espaço do outro. Foi uma experiência muito boa. Eu acabei voltando porque não via muito futuro para mim lá no clube.

O Canto do Rio está invicto na competição com sete vitórias e quatro empates. O time foi o líder do grupo C, com 18 pontos e eliminou o Ceres nas quartas.